menu-topo

Coisa #24 que aprendi antes dos 30

12.12.13

As pessoas confundem muito o conceito de solidão com o estar-se só. Gosto de estar só e, felizmente, poucas vezes sou assolada pela solidão. Quando estamos bem e serenos (algo que me acontece...tipo...uma vez por ano), o contexto exterior não nos afecta.
Poucas pessoas sabem disto, mas em 2012-2013 fiz a passagem de ano totalmente sozinha, na minha casa em Lisboa. Não gosto daquela obrigatoriedade de diversão que acontece no reveillon e quis ouvir-me a mim mesma durante uma noite. Sem grandes interferências. 
Estava uma chuva danada, por isso ficar de robe, na minha sala iluminada pela árvore de natal, ao lado do aquecedor, com um caderno na mão a escrever o meu plano de vida e uma lista de coisas a melhorar em 2013, de espumante na mão foi o que mais desejei naquele momento e...pasme-se, diverti-me sozinha!
(Claro que ajudou imenso o facto de eu ter dois convites para sair nessa noite e eu ter recusado. Saber que existe uma alternativa pode ser reconfortante.)

E esta é uma das grandes lições da minha vida: a capacidade de estar só e estar a sós comigo é um barómetro do meu equilíbrio mental.

1 comentário:

  1. Brindo a isso.
    Também já fiz o mesmo e creio que este ano farei igual :)

    ResponderEliminar

AddThis