menu-topo

5 coisas que me irritam na novela Dancin' Days

7.5.13
Eu admito. 
Eu, mulher pós-moderna, que trabalha para caraças e tem uma vida social muito animada, vejo o Dancin' Days. Tudo começou há uns 520 anos, quando a novela começou a dar na SIC. Eu não assistia a nenhuma desde 2005 e achei que nas noites calmas seria giro seguir alguma história. Isto para além das séries que sigo religiosamente como o How I Met your Mother, a Anatomia de Grey e algumas mais. Desejo de pertença a uma comunidade, diria até.

A novela começou por ser uma adaptação da novela brasileira que foi transmitida por volta do ano em que eu nasci, mas rapidamente se distanciou da história original, mantendo uns acenos aqui e ali. A novela prometia porque tinha o Albano Jerónimo, ahem...porque tinha um excelente elenco e os primeiros episódios, com aquela história toda do acidente e da rapariga (Joana Santos) que foi presa injustamente, pegam-nos ao ecrã. Todos nós gostamos de histórias como os Miseráveis, o Conde de Monte Cristo ou Os Condenados de Shawshank em que há prisão e injustiça. Aquilo comove qualquer humano.

Ora, passados não sei quantos episódios e não sei quantos prolongamentos das gravações, continuo a ver a telenovela. A história já deu muitas reviravoltas, houve muitas trocas de pares amorosos, redenção de vilões e bons momentos passados com o núcleo cómico da novela, liderado magistralmente pelo Pepê Rapazote e pelo João Ricardo (o Miguel e o Hernâni).

No entanto, já estou um bocado cansada. Não vou voltar a ver mais nenhuma novela nos próximos tempos porque, convenhamos, tenho mais que fazer e tenho de consumir mais cinema. A verdade é que há algumas coisas que me irritam solenemente na novela e não podia deixar de partilhar convosco:


1 - O Rui Porto Nunes

E vocês perguntam: - Quem?
Pois, é um jovem actor da geração Morangos com Açúcar. Fez não sei quê com vampiros e as adolescentes gostam muito dele, porque o miúdo é bem apessoado. Mas, caros amigos...no meio de bons actores como o Albano Jerónimo, Ricardo Carriço, Pedro Laginha (no outro dia vi-o nos Armazéns do Chiado e é muito mais giro na vida real) e até mesmo aquele puto novo que nunca tinha visto na vida, o Sisley Dias, a produção resolve assumir uma contratação para a última fase da novela deste rapaz. Para quê? Para ganhar a audiência dos adolescentes? Porque todos os jovens actores de jeito são exclusivos da TVI? O que me irrita no rapaz é uma coisa muitos simples: é um péssimo actor. Pronuncia as palavras de modo silabado como o fazemos quando estamos bêbedos e queremos fingir que não estamos. As falas são péssimas - nada normais para um jovem, ainda que seja bancário -, ele parece que lê e é mesmo pouco natural. Penoso.


2 - A publicidade pouco subtil

De metade da novela para cá, os argumentistas começaram a inserir nas falas conteúdos publicitários. O que, a priori, poderia ser discreto, normalmente adquire proporções ridículas. Do género, estar a protagonista ao telefone a dizer:
- Vem ter comigo ao Dolce Vita Tejo. A sério? Não sabes como lá chegar? Basta apanhares a CRIL e virares na primeira à direita?
Seriously? Quanto será que o Dolce Vita Tejo paga por isto? Praticamente em todos os episódios se fala do centro comercial (existe até um núcleo da novela que trabalha lá). Aquilo é o PIOR CENTRO COMERCIAL DO MUNDO. Gente muito azeitola e uma pessoa que não tenha carro, demora 1 dia a lá chegar de transportes. A única coisa de jeito daquilo é a Primark.
Outras pérolas:

- Estás com uma pele tão lisinha. Pareces outra.
- Ah, isso é do creme que estou a usar. Usa tu também. Escreve aí: Revitalift blá blá.
Péssimo.

- Ah, o teu ex-marido quer a guarda da tua filha. Coitadinha de ti. Mas, pelo menos, os teus cabelos estão lindos. O que andas a fazer?
- Ah, é o novo champô da Elvive Liso Intenso.
- Uau.


Coisas destas.



3 - As personagems mais estúpidas do mundo, mas só significa que as actrizes estão a desempenhar bem o seu papel

  • Cristina Homem de Mello, no papel de Teresa. Manipuladora, calculista, fria. E até assassina. A personagem cresceu à medida do seu talento. Mas irrita-me muito, claro. Apetece ir lá dar-lhe um murro;
  • Ana Guiomar, a personagem que pôs silicone. Pois, mas não parece, parece apenas que é anafada, será que já lhe disseram isso? A verdade é que a miúda é peixeira, mal-educada e sem grandes princípios. Irrita, mas é inofensiva, vá.

4 - A perda de impacto do papel da Soraia Chaves

Todos temos um fascínio pelas vilãs. E pelos bad boys também. Exceptuando um ou outro filme, em  que se exibia outro tipo de "talento" desta rapariga, nunca tinha prestado atenção à moça. E a Soraia Chaves fez, de facto, um belo papel até metade da novela. Má como as cobras, com uma classe invejável (apesar de apenas usar bege e preto como cores do guarda-roupa). Depois, veio a redenção da personagem (é bonito, fico contente), mas a verdade é que perdeu vigor na história, tendo passado para um papel mais que secundário. Tenho pena.


5 - A incoerência do papel da Joana Santos

É considerada um grande talento nacional. Parece que fez uma novela antes em que era vilã e toda a gente lhe caiu aos pés. No outro dia vi-a na Mouraria e fiquei parva com o quão bonita ela é. Simpatizo com a rapariga, mas há coisas parvas na construção da personagem:

  • Está certo, a moça esteve presa 16 anos. Sai da prisão com um ar másculo, a falar de forma pouco elegante, enraivecida com a vida e com a irmã (que entretanto lhe roubou a filha). Até aqui tudo bem.
  • Depois, dá uma bela chapada na cara do Hugo (José Fidalgo) porque este quer oferecer-lhe um trabalho mas insinua-se à moça. Aposto um dente da frente que se o José Fidalgo se insinuasse a qualquer mulher, não era na cara que lhe iriam dar chapadas...
  • Conhece um homem rico e faz um acordo com ele porque ela quer mudar de vida (What? Onde está a moral, afinal?) Por mais transparente que o acordo tenha sido, isto não abona muito a favor da sua personalidade imaculada. Pior ainda: meses mais tarde, coitada, lá faz amor com o homem e chora durante o acto, enquanto já anda a comer o Albano Jerónimo. What?
  • Passa 9 meses em Itália. Repito, 9 meses. E quando de lá volta, vem impecavelmente vestida e com um corte de cabelo moderno...e o pior: a falar português como se se tivesse licenciado em Dialéctica. Ora, eu morei em Itália 3 anos, meus amigos. E, quando de lá vim, o meu português metia medo ao susto. Toda a gente sabe que se não estás no teu país de origem, muito provavelmente as tuas capacidades linguísticas ficam reduzidas. 

Neste momento, espero que a novela acabe logo. Preciso de pensar noutras coisas.

4 comentários:

  1. Same here!

    Já só quero é que aquela porra acabe para eu não perder quase uma hora todas as noites de volta daquilo. E a ti só te irrita isto... a mim já me irrita tudo. Principalmente a tonhó da Mariana, que de um mês a esta parte só me apetece corrê-la à chapada.

    ResponderEliminar
  2. eu só sigo as novelas brasileiras (Avenida Brasil e Cheias de Charme) e são fantásticas. depois de muito tempo a ver novelas portuguesas, hoje em dia acho que não conseguia voltar a ver

    ResponderEliminar
  3. Pois eu subscrevo totalmente. E digo mais, já não podia com a fase em que o Duarte desprezava a Inês, a Inês fazia o papel da cornuda grávida e a Júlia, que supostamente é a boa da fita, andava a dormir com o marido da grávida enquanto meio enganava o dono da revista, com quem agora casou.
    Parece que agora tudo acalmou, para dar mais protagonismo à Mariana e ao péssimo actor que é o namorado dela.
    De qualquer forma deve estar tudo para regressar outra vez. É dar-lhe tempo..
    Só quero que aquilo acabe para terminar de uma vez por todas :)

    ResponderEliminar
  4. Concordo com a questão no Nuno Porto Nunes. Já o vi noutros papeis mas neste está mesmo pouco natural, a rapariga que faz de namorada dele por vezes parece contracenar com um boneco, quando ela é tão expressiva. Curiosamente, o tal Sisley de que nunca ouviste falar apareceu pela primeira vez nos Morangos com Açúcar e contracenou exactamente com o Nuno ;)

    ResponderEliminar

AddThis