menu-topo

Basicamente, é isto

8.6.11
Essa coisa de que o tempo nos molda e nos traz a serenidade dos anos que correm não passa de uma valente treta. O tempo, quanto muito, refina-nos. Aperfeiçoa o que somos e o que trazemos em nós. A perfídia e a barbárie não desaparecem, os ímpetos e os tumultos não soçobram e a instabilidade marcada no código genético não esmorece. Tal como a ânsia e o desassossego. Tal como o amor desmedido, o medo desmedido, a agitação desmedida. O estar e o partir, o querer muito e o rejeitarem absoluto. A felicidade desmesurada e a agonia excessiva. Assim, numa fracção de segundos. O tempo não molda ninguém. Muito menos quem nasce com uma bomba relógio dentro do peito.

Nada a acrescentar.

Maria, no seu Made in Lisbon

4 comentários:

  1. oh não, e eu que esperava que com o tempo isto passasse :(

    ResponderEliminar
  2. E qual a diferença entre moldar-nos e refinar-nos?

    ResponderEliminar
  3. Moldar significa adaptar-se e, analisando o conteúdo semântico da palavra "mudar a forma de". Ora, nós não mudamos de forma, mas sim aperfeiçoamo-nos consoante as nossas experiências, a vida e as pessoas que se cruzam connosco. Acho que é mesmo isto. :)

    ResponderEliminar
  4. Rafa, claro que de uma forma metafórica, acho que ao fim e ao cabo vai dar quase ao mesmo :)

    ResponderEliminar

AddThis