menu-topo

Separados à nascença #5

21.2.11
Tenho-me divertido a comprar os livros do Gonçalo M. Tavares, por ser conhecido como o melhor escritor da sua geração, pelo fabuloso marketing que lhe tem sido feito e pela célebre citação (e melhor elogio de todos os tempos) de Saramago que disse que "Gonçalo M. Tavares não tinha o direito de escrever assim tão bem e que dava vontade de lhe bater" de tanto talento que tem.




Mas sempre que olho para a cara dele, só consigo pensar no Carlos Solis, das Donas de Casa Desesperadas.





Ver outros candidatos à minha agência de sósias



10 comentários:

  1. No outro dia, depois de ver o Discurso do Rei, lembrei-me desta tua rubrica. É que o rei Jorge V é a cara chapada do Nicolau II da Rússia.

    ResponderEliminar
  2. ao vivo, o GMT não é assim tão parecido com o carlos solis, mas ainda assim, é notória a semelhança:)

    ResponderEliminar
  3. Sãozinha, nunca fui boa a memorizar caras de reis ou príncipes. :)

    @Pedro, nunca tive o privilégio de conhecer o GMT, mas eles dão ares um ao outro, quanto mais não seja pelo mesmo tipo de cabelo e de pêra. ;)

    ResponderEliminar
  4. Olá agradável esta página está muito estruturado.........bom trabalho :)
    Gostei muito Continua assim !

    ResponderEliminar
  5. Assim que vi a foto pensei, lá vai alguem escrever sobre as donas de casa desesperadas...e afinal tumbas --'. Ai que borrega que eu sou...
    Boa semana*

    ResponderEliminar
  6. Mas já leste? Eu li o Jerusalém e não me convenceu assim muito...

    Hugo

    ResponderEliminar
  7. da tetralogia "o reino", "jerusalém" foi aquele que mais me impressionou.
    é verdade que não sou ávido leitor, e por isso não tenho conhecimentos tão alargados quanto gostaria sobre literatura, mas mesmo assim, achei-o muito bem escrito. muito mais do que qualquer um dos outros três.

    ResponderEliminar
  8. Hugo, estou a ler Jerusalém e ainda não tenho opinião formada. Chamam o GMT de Kafka português...nas 80 páginas que li ainda não vi grandes semelhanças.
    Entretanto comprei o Viagem à Índia que teve a melhor manobra de marketing de todos os tempos em Portugal...até chorei de emoção ao ler uma crítica do Pulido Valente (se a memória não me atraiçoa) em que dizia que daqui a 10 anos esse livro vai pertencer aos conteúdos programáticos escolares. E emocionou-me o facto de eu estar a presenciar HISTÓRIA à medida que ela está a ser feita.

    ResponderEliminar

AddThis