menu-topo

De boca aberta

12.8.08
É como se fica quando uma colega de trabalho, com quem se divide almoços e conversas há mais de 3 meses, menciona que o seu livro preferido de todos os tempos é "Il libro dell'inquietudine" de Fernando Pessoa.
De lágrimas nos olhos se fica quando ela declama para toda a mesa de colegas:


Ho creato in me varie personalità. 
Creo costantemente personalità.
Ogni mio sogno, appena lo comincio a sognare,
è incarnato in un’altra personalità che inizia a sognarlo, e non sono io.
Per creare, mi sono distrutto.
Mi sono così esteriorizzato dentro di me 
che dentro di me non esiste se non esteriormente.
Sono la scena viva sulla quale passano svariati attori che recitano svariati drammi.

Que originalmente foi escrito assim:



Criei em mim várias personalidades. 
Crio personalidades constantemente. 
Cada sonho meu é imediatamente, logo ao aparecer sonhado, 
encarnado numa outra pessoa, que passa a sonhá-lo, e eu não.
Para criar destruí-me; 
tanto me exteriorizei dentro de mim, que dentro de mim não existo senão exteriormente. 
Sou a cena nua onde passam vários actores representando várias peças.

Fernando Pessoa

5 comentários:

  1. que lindo... realmente não é para menos... é mesmo caso para ficar de boca aberta e de lágrima no olho...

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    Sabes, hoje aconteceu uma coisa gira. Fui por acaso a um blog ("O amor é um lugar estranho") e decidi ler os comentários de um post, coisa que nunca faço quando não conheço a pessoa do blog.

    No meio dos comentários apareceste tu. E agora dizes, "e então? isto já está a ficar um bocadinho estranho..."

    É que nós conhecemo-nos! :) Não sei se te lembras de mim, não te vejo há imenso tempo. Sou a Ana Antunes de Leiria, conhecemo-nos em Oliveira do Douro (no Eva).

    Foi giro dar com o teu blogue. Vou passear por cá quando tiver mais tempo.

    Espero que estejas bem.

    Beijinhos

    Ana

    ResponderEliminar

AddThis